Mapa do Corpo



Cérebro
olhos
coração
imunidade
saúde dos ossos
 
Que partes ou órgãos do corpo necessitam de vitaminas e minerais?

As vitaminas e os minerais contribuem para o bom funcionamento do organismo.

 

Clique nas partes ou órgãos do corpo humano para descobrir quais as vitaminas e sais minerais que são benéficos para a sua saúde.

Bibliografia
Função Cognitiva

O Ferro contribui para uma normal função cognitiva.

 

A  Biotina, Vitamina B12, B6 e C e minerais como o cobre e o potássio contribuem para o normal funcionamento do sistema nervoso.

Vitaminas do complexo B
vitamina C
Vitamina E e Niacinamida
Voltar
Função Cognitiva - Bibliografia
Está firmemente determinado que as carências das vitaminas B envolvidas no ciclo do carbono têm consequências graves para as funções cerebrais, podendo causar depressão, demência e outras perturbações. (Selhub J. - B vitamins, homocysteine, and neurocognitive function in the elderly. Am J Clin Nutr 2000; 71:614S-620S).

• Um longo estudo feito em mais de 3.000 homens japoneses americanos com mais de 70 anos de idade, a viver no Havai, concluiu que o uso de vitamina C e suplementos de vitamina E reduziam significativamente o risco de demência. Nos indivíduos sem demência, o uso de vitamina C e suplementos E foi associado com a melhoria da função cognitiva. (Masaki KH, et al. Association of vitamin E and C supplement use with cognitive function and dementia in elderly men. Neurology 2000; 54:1265-1272) Está firmemente determinado que as carências das vitaminas B envolvidas no ciclo do carbono têm consequências graves para as funções cerebrais, podendo causar depressão, demência e outras perturbações. (Selhub J. - B vitamins, homocysteine, and neurocognitive function in the elderly. Am J Clin Nutr 2000; 71:614S-620S).

• Um longo estudo feito em mais de 3.000 homens japoneses americanos com mais de 70 anos de idade, a viver no Havai, concluiu que o uso de vitamina C e suplementos de vitamina E reduziam significativamente o risco de demência. Nos indivíduos sem demência, o uso de vitamina C e suplementos E foi associado com a melhoria da função cognitiva. (Masaki KH, et al. Association of vitamin E and C supplement use with cognitive function and dementia in elderly men. Neurology 2000; 54:1265-1272)
Bibliografia
Visão

A Vitamina A e o Zinco contribuem para a manutenção de uma visão normal.

Luteína
Vitamina C e Vitamina E
Voltar
Visão - Bibliografia
Degenerescência Macular Relacionada com a Idade – A luteína (e a zeaxantina) são carotenóides presentes na mácula indispensáveis ao bom funcionamento da retina, responsável pela precisão e pormenor da visão. O consumo ideal destes carotenóides é de 2,3 – 6 mg por dia (Seddon, JM, et al. Dietary carotenoids, vitamin A, C and E and advanced AMD. JAMA. 1994; 272: 1413-1420)

Redução das Cataratas – No estudo Nurses Health Study, a luteína e a zeaxantina reduziram o risco de cataratas (Brown, Lisa, Rimm, Eric, et al. A prospective study of carotenoid and vitamin A intakes and risk of cataract extraction in US women. Am. J. Clin. Nut. 1999;70:509-16.). Resultados idênticos foram obtidos pelo estudo Health Professionals Follow-up Study (Brown, L et al. A prospective study of carotenoid and vitamin A intakes and risk of cataract extraction in US men. Am. J. Clin. Nut. 1999: 70:517-24.)

Saúde Global dos Olhos – A administração de suplementos vitamínicos e o consumo diário de luteína e zeaxantina durante + de 10 anos pode proteger contra as doenças oculares (Brown, L et al. - A prospective study of carotenoid and vitamin A intakes and risk of cataract extraction in US men. Am. J. Clin. Nut. 1999: 70:517-24.)

Numa análise adaptada em função da idade, as mulheres com consumo elevado de vitamina C (média = 294mg/dia) descobriram que as que ingeriram suplementos durante >10 anos apresentavam uma diminuição da prevalência das opacidades moderadas >70% do que as que não tomavam suplementos (Jacques PF, et al. Long-term vitamin C supplement use and prevalence of early age-related lens opacities. Am J Clin Nutr 1997;66: 911-916)

O consumo de Centrum, adaptado em função da pontuação de propensão e de outras co-variáveis, foi associado a uma redução de “qualquer” progressão da opacidade do cristalino (rácio de probabilidades [RP] = 0,84, 95% de intervalo de confiança [IC] = 0,72–0,98, P = 0,025). Os resultados para tipos individuais de opacidade do cristalino sugeriram que o consumo de Centrum proporcionava protecção contra ocorrências de opacidade nuclear (RP = 0,75, 95% IC = 0,61–0,91, P = 0,004). Dados observacionais recolhidos pelo AREDS e por outros estudos sugerem que o consumo de um suplemento multivitamínico diário atrasa a progressão das opacidades do cristalino. (Centrum use and progression of age-related cataract in the age-related eye disease study. AREDS report no. 21. Arch Ophthalmol 2006; 1264-70.)

Num estudo, as pessoas com o consumo mais elevado de vitamina E apresentavam uma prevalência menor em 40% das cataratas corticais e mistas (Leske MC et al. The lens opacities case-control study risk factors for cataract. 1991 Arch Opthalmol 1991 109: 244-251). Degenerescência Macular Relacionada com a Idade – A luteína (e a zeaxantina) são carotenóides presentes na mácula indispensáveis ao bom funcionamento da retina, responsável pela precisão e pormenor da visão. O consumo ideal destes carotenóides é de 2,3 – 6 mg por dia (Seddon, JM, et al. Dietary carotenoids, vitamin A, C and E and advanced AMD. JAMA. 1994; 272: 1413-1420)

Redução das Cataratas – No estudo Nurses Health Study, a luteína e a zeaxantina reduziram o risco de cataratas (Brown, Lisa, Rimm, Eric, et al. A prospective study of carotenoid and vitamin A intakes and risk of cataract extraction in US women. Am. J. Clin. Nut. 1999;70:509-16.). Resultados idênticos foram obtidos pelo estudo Health Professionals Follow-up Study (Brown, L et al. A prospective study of carotenoid and vitamin A intakes and risk of cataract extraction in US men. Am. J. Clin. Nut. 1999: 70:517-24.)

Saúde Global dos Olhos – A administração de suplementos vitamínicos e o consumo diário de luteína e zeaxantina durante + de 10 anos pode proteger contra as doenças oculares (Brown, L et al. - A prospective study of carotenoid and vitamin A intakes and risk of cataract extraction in US men. Am. J. Clin. Nut. 1999: 70:517-24.)

Numa análise adaptada em função da idade, as mulheres com consumo elevado de vitamina C (média = 294mg/dia) descobriram que as que ingeriram suplementos durante >10 anos apresentavam uma diminuição da prevalência das opacidades moderadas >70% do que as que não tomavam suplementos (Jacques PF, et al. Long-term vitamin C supplement use and prevalence of early age-related lens opacities. Am J Clin Nutr 1997;66: 911-916)

O consumo de Centrum, adaptado em função da pontuação de propensão e de outras co-variáveis, foi associado a uma redução de “qualquer” progressão da opacidade do cristalino (rácio de probabilidades [RP] = 0,84, 95% de intervalo de confiança [IC] = 0,72–0,98, P = 0,025). Os resultados para tipos individuais de opacidade do cristalino sugeriram que o consumo de Centrum proporcionava protecção contra ocorrências de opacidade nuclear (RP = 0,75, 95% IC = 0,61–0,91, P = 0,004). Dados observacionais recolhidos pelo AREDS e por outros estudos sugerem que o consumo de um suplemento multivitamínico diário atrasa a progressão das opacidades do cristalino. (Centrum use and progression of age-related cataract in the age-related eye disease study. AREDS report no. 21. Arch Ophthalmol 2006; 1264-70.)

Num estudo, as pessoas com o consumo mais elevado de vitamina E apresentavam uma prevalência menor em 40% das cataratas corticais e mistas (Leske MC et al. The lens opacities case-control study risk factors for cataract. 1991 Arch Opthalmol 1991 109: 244-251).
Bibliografia
Funcionamento do Coração

A tiamina contribui para o normal funcionamento do coração.

Vitamina B6 e B12 e Folfato (Ácido Fólico)
Voltar
Funcionamento do Coração - Bibliografia
A diminuição dos valores elevados de homocisteína tem sido associada ao risco reduzido de DVC (McKay DL, et al. Multivitamin/mineral supplementation improves plasma B-vitamin status and homocysteine concentration in healthy older adults consuming a folate-fortified diet, J Nutr. 2000;130:3090-3096)

O folato e as vitaminas B6 e B12 são necessários à metabolização da homocisteína em metionina. O folato parece ser uma vitamina fundamental para alterar os níveis da homocisteína no soro sanguíneo. O folato diminuiu os níveis de homocisteína em 25% e a adição de vitamina B12 fez baixar a homocisteína em mais 7%. Embora os níveis de folato no soro sanguíneo desempenhem um papel decisivo na patogénese da hiper-homocisteinemia, não se sabe ainda bem se o folato tem repercussões directas na doença cardíaca coronária, apesar de os estudos observacionais terem demonstrado sistematicamente que os níveis elevados de homocisteína são um factor de risco de doença cardiovascular (Fairfield, KM and Fletcher RH. Vitamins for Chronic Disease Prevention in Adults: Scientific Review. JAMA. 2002;287: 3116-3126).


Um estudo prospectivo de mais de 80 mil mulheres sugeriu existir uma associação entre o consumo de suplementos contendo ácido fólico e vitamina B6 e uma redução significativa do risco de doença cardíaca coronária (Rimm, E, et al. JAMA. 1998;279:359-364.)

O ensaio VISP não apurou quaisquer benefícios advenientes do consumo de doses elevadas de vitaminas (400mcg B12, 25mg B6 e 2,5mg de folato) contra doses baixas de vitaminas (6mcg B12, 200mcg B6 e 20mcg de folato). No entanto, quando se analisaram as pessoas consideradas como de “risco elevado” de doença cardiovascular, descobriu-se que uma dose elevada de vitaminas podia de facto reduzir o risco de desenvolvimento de complicações cardiovasculares (enfarte do miocárdio e acidente vascular isquémico) até um máximo de 21% (Spence, D, et al. Vitamin Intervention for Stroke Prevention Trial: An Efficacy Analysis. Stroke. 2005:36:2404-2409)A diminuição dos valores elevados de homocisteína tem sido associada ao risco reduzido de DVC (McKay DL, et al. Multivitamin/mineral supplementation improves plasma B-vitamin status and homocysteine concentration in healthy older adults consuming a folate-fortified diet, J Nutr. 2000;130:3090-3096)

O folato e as vitaminas B6 e B12 são necessários à metabolização da homocisteína em metionina. O folato parece ser uma vitamina fundamental para alterar os níveis da homocisteína no soro sanguíneo. O folato diminuiu os níveis de homocisteína em 25% e a adição de vitamina B12 fez baixar a homocisteína em mais 7%. Embora os níveis de folato no soro sanguíneo desempenhem um papel decisivo na patogénese da hiper-homocisteinemia, não se sabe ainda bem se o folato tem repercussões directas na doença cardíaca coronária, apesar de os estudos observacionais terem demonstrado sistematicamente que os níveis elevados de homocisteína são um factor de risco de doença cardiovascular (Fairfield, KM and Fletcher RH. Vitamins for Chronic Disease Prevention in Adults: Scientific Review. JAMA. 2002;287: 3116-3126).


Um estudo prospectivo de mais de 80 mil mulheres sugeriu existir uma associação entre o consumo de suplementos contendo ácido fólico e vitamina B6 e uma redução significativa do risco de doença cardíaca coronária (Rimm, E, et al. JAMA. 1998;279:359-364.)

O ensaio VISP não apurou quaisquer benefícios advenientes do consumo de doses elevadas de vitaminas (400mcg B12, 25mg B6 e 2,5mg de folato) contra doses baixas de vitaminas (6mcg B12, 200mcg B6 e 20mcg de folato). No entanto, quando se analisaram as pessoas consideradas como de “risco elevado” de doença cardiovascular, descobriu-se que uma dose elevada de vitaminas podia de facto reduzir o risco de desenvolvimento de complicações cardiovasculares (enfarte do miocárdio e acidente vascular isquémico) até um máximo de 21% (Spence, D, et al. Vitamin Intervention for Stroke Prevention Trial: An Efficacy Analysis. Stroke. 2005:36:2404-2409)
Bibliografia
Sistema Imunitário

A vitamina C, selénio e zinco  contribuem para o normal funcionamento do sistema imunitário.

Vitamina C
Vitamina E
Betacaroteno
Zinco
Selénio e Cobre
Voltar
Sistema Imunitário - Bibliografia
• (Harvard Medical School. The Benefits and Risks of Vitamins and Minerals: What You Need to Know; Boston, MA. Harvard Medical School Publications, 2003).

• Um estudo sobre a função imune em pessoas idosas, realizado em Nova Jérsia, demonstrou que da ingestão diária de um suplemento multivitamínico durante um ano resultava um sistema imunitário mais forte, aumentando os níveis de várias vitaminas presentes no sangue. A investigação sugeriu que as recomendações actualmente em vigor relativamente a certos micronutrientes poderão ser demasiado baixas para assegurar uma função imune excelente em adultos idosos saudáveis e com modo de vida independente (Bogden J. - Daily micronutrient and supplements enhance delayed -hypersensitivity skin test responses in older people. Am J Clin Nutr 1994; 60:437-447).


• Num estudo de dois anos realizado num lar de idosos em França, foram administrados aos residentes zinco e selénio ou vitamina C, vitamina E e betacaroteno, ou os cinco micronutrientes em conjunto, ou um placebo. Segundo os resultados deste estudo, a suplementação com doses baixas de vitaminas e microelementos permite corrigir as carências destes nutrientes em pessoas residentes em lares de idosos. As conclusões indicam igualmente que a administração de suplementos com zinco e selénio permite reduzir o número de infecções sofridas por idosos internados em instituições. (Girodon et al - Effect of micronutrient supplementation on infection in institutionalized elderly subjects: a controlled trial. Ann Nutr & Metab1997; 41:98-107).>• (Harvard Medical School. The Benefits and Risks of Vitamins and Minerals: What You Need to Know; Boston, MA. Harvard Medical School Publications, 2003).

• Um estudo sobre a função imune em pessoas idosas, realizado em Nova Jérsia, demonstrou que da ingestão diária de um suplemento multivitamínico durante um ano resultava um sistema imunitário mais forte, aumentando os níveis de várias vitaminas presentes no sangue. A investigação sugeriu que as recomendações actualmente em vigor relativamente a certos micronutrientes poderão ser demasiado baixas para assegurar uma função imune excelente em adultos idosos saudáveis e com modo de vida independente (Bogden J. - Daily micronutrient and supplements enhance delayed -hypersensitivity skin test responses in older people. Am J Clin Nutr 1994; 60:437-447).


• Num estudo de dois anos realizado num lar de idosos em França, foram administrados aos residentes zinco e selénio ou vitamina C, vitamina E e betacaroteno, ou os cinco micronutrientes em conjunto, ou um placebo. Segundo os resultados deste estudo, a suplementação com doses baixas de vitaminas e microelementos permite corrigir as carências destes nutrientes em pessoas residentes em lares de idosos. As conclusões indicam igualmente que a administração de suplementos com zinco e selénio permite reduzir o número de infecções sofridas por idosos internados em instituições. (Girodon et al - Effect of micronutrient supplementation on infection in institutionalized elderly subjects: a controlled trial. Ann Nutr & Metab1997; 41:98-107).>
Bibliografia
Saúde dos ossos

O cálcio é necessário para a manutenção de ossos normais.

 
A vitamina D contribui para a manutenção de níveis normais de cálcio no sangue.

 
A vitamina C ajuda a normal formação de colagénio para funcionamento normal dos ossos.

Cálcio e Vitamina D
Voltar
Saúde dos ossos - Bibliografia
O cálcio e a vitamina D são necessários à preservação da saúde óssea (Heaney RP, Weaver CM. - Calcium and vitamin D. Endocrinol Metab Clin North Am 2003; 32:181-194)

A absorção do cálcio diminui à medida que uma pessoa avança na idade, mas pensa-se que isto se deve sobretudo a problemas de metabolização da vitamina D (diminuição dos receptores de vitamina D na mucosa intestinal) (Russell, R - The aging process as a modifer of metabolism; Am. J. Clin Nutr. 2000; 72: 529 - 532). A suplementação com vitamina D – cerca de 800 UI por dia, combinada com cálcio – reduz a perda de densidade óssea durante os meses de inverno. (Vieth, R. The Pharmacology of Vitamin D, Including Fortification Strategies Chapter 61, Vitamin D, 2nd Edition, Copyright 2005)O cálcio e a vitamina D são necessários à preservação da saúde óssea (Heaney RP, Weaver CM. - Calcium and vitamin D. Endocrinol Metab Clin North Am 2003; 32:181-194)

A absorção do cálcio diminui à medida que uma pessoa avança na idade, mas pensa-se que isto se deve sobretudo a problemas de metabolização da vitamina D (diminuição dos receptores de vitamina D na mucosa intestinal) (Russell, R - The aging process as a modifer of metabolism; Am. J. Clin Nutr. 2000; 72: 529 - 532). A suplementação com vitamina D – cerca de 800 UI por dia, combinada com cálcio – reduz a perda de densidade óssea durante os meses de inverno. (Vieth, R. The Pharmacology of Vitamin D, Including Fortification Strategies Chapter 61, Vitamin D, 2nd Edition, Copyright 2005)